Como escolher um detective privado?

Um investigador privado é um profissional liberal. Em Portugal não é necessário qualquer tipo de licença para ser detetive privado, sendo ainda mais necessário implementar a ética e a deontologia profissional no exercicio da atividade.

Possuir um local de atendimento, um escritório ou sala de reuniões para atender os clientes é regra obrigatória para qualquer detetive, bem como ter a sua atividade declarada, e dar provas do seu plano profissional no âmbito da formação e da experiência adquirida.

Uma vez não existir por parte do Estado qualquer tipo de fiscalização, deve por si, enquanto cliente, recolher estes elementos em relação ao profissional. Faça por entender de que forma pode identificar o detetive privado.

Na posição de cliente, não se deve aventurar a solicitar um serviço que saia fora do âmbito da investigação privada, lembre-se que enquanto cliente poderá estar a solicitar um serviço de enquadramento ilícito, da mesma forma o investigador estará a ultrapassar os limites do que deverá ser considerado o trabalho de um detetive, digo isto porque a responsabilidade também começa por si, quando solicita um pedido que á partida lhe dizem ser possivel de concretizar.

Na maioria das vezes o cliente deseja o mais facil e o mais rápido possivel. Confunde-se muitas das vezes a pirataria informatica com a investigação digital, existe um atropelo de pedidos de invasões ás redes sociais, ás aplicações de chat, aos correios electrónicos,  e isso não é de todo o trabalho de um detetive privado, sendo que praticamente todos aqueles que afirmam fazê-lo, quando questionados com perguntas técnicas e objectivas sobre tais práticas, não sabem sequer o que responder!

A honestidade deveria  já por si, tratar-se de uma garantia!

 

Comments are closed.